quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

SECRETÁRIO E PREFEITO SÃO DENUNCIADOS POR JOGO SUJO


EXCLUSIVO! PROPRIETÁRIO DE JORNAL EM MORRINHOS DENUNCIA SECRETÁRIO DE COMUNICAÇÃO DE CALDAS NOVAS E PREFEITO POR PRODUZIREM MATÉRIAS FALSAS CONTRA PRESIDENTE DE PARTIDO E O REPÓRTER ALISON MAIA:
Rodney de Morais é proprietário do Jornal "A Folha de Goiás" e na manhã desta última terça feira (02) ele procurou o Plantão Policial para denunciar que as duas matéria publicada nas redes sociais e no seu jornal imprenso no dia 22 de maio de 2015 e outra em setembro foram encomendadas pelo secretário de comunicação de Caldas Novas João Paulo Teixeira e pelo Prefeito da cidade de Caldas Novas. A negociação foi feita entre os três ( O prefeito, o secretário e o dono do jornal) no gabinete do prefeito. A matéria acusava o presidente do partido verde de Caldas Novas (PV) Jose Prates de estar respondendo de extorsão, tentativa de homicídio, ameaça e outros graves crimes. A mesma matéria ainda dizia que o repórter policial Alison Maia havia contribuído com o crime ocultando as informações na intensão de proteger Prates. Em outra data, já em setembro, o mesmo periódico acusou o redator Alison Maia de participação em outros crimes e em um suposto sequestro em Caldas Novas. Rodney redator chefe do Jornal "A Folha" disse que tudo foi elaborado pelo jornalista João Paulo na presença do prefeito. Na casa do proprietário do jornal estão as mensagens trocadas entre o secretário e o dono do jornal e emails. Dizendo estar arrependido pelo que fez e com consciência pesada, ele resolveu mostrar a cara e revelar o plano diabólico. Ontem protocolamos no Fórum e na delegacia cerca de 16 denúncia contra dezenas de pessoas, uma responderão na esfera cível, outra na cível e criminal.
Fica aqui um conselho aos apaixonados políticos e alguns funcionários, até onde vale a pena difamar, denegrir, imputar crimes a pessoas e depois ter que ser processados, pagar indenizações, perder a função pública entre outros, até onde vale a pena. Os autores desses crimes saíram da cidade para procurar outro jornal, jornal esse que foi usado em um programa de TV e até por vereadores na tribuna da câmara de vereadores de Caldas Novas para difamar e fomentar as mentiras. Muita gente vai responder e com certeza lá na frente vai sentir o que os veículos de comunicação de Caldas já sentirão, pois muitos não entram mais nesse jogo, pois quase tiveram suas empresas falidas de tantos processos e indenizações que pagam até hoje. Não tendo mais apoio desses veículos eles agora estão usando você que vai ter que vender o que tem para pagar uma indenização e assim como eles não terão como provar as acusações que fizeram e serão processados, pois na frente do juiz a coisa muda e aqueles que te defendem assim como fizeram com o proprietário do jornal "A Folha" não vão pagar advogados. Nesse caso, nos deixa mais uma vez enojados em ver a máquina pública, funcionários públicos usados em esquemas sórdidos de depreciar a vida de pessoas de bem sem medir as consequências. O presidente do partido verde Jose Prates teve sim algumas demandas respondidas na justiça, mas nada que se iguale a tentativa de homicídio e extorsão, entre os crimes citados e nós nunca encobrimos nenhuma informação para proteger ninguém como citado e elaborado pelo secretário de comunicação que teve a única intensão sob o aval do prefeito de espalhar inverdades para denegrir nossa imagem diante da população e da nossa família, mas Deus é fiel e a palavra Dele se cumpre mais uma vez em minha vida mostrando que "Ai daquele que pensa em tocar em um ungido do Senhor!". O caso será enviado ao Ministério Público e as autoridades judiciárias competentes e esperamos que a resposta venha o quanto antes.
Alison Maia - Repórter Policial

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Dois motociclistas morrem após batida em rodovia esburacada

Familiares de Luciano acreditam que ele se desequilibrou ao tentar desviar de um buraco. “Ele foi desviar e não deu nem tempo de parar, frear, e já se chocou com a outra moto que vinha”, disse a viúva da vítima, Tânia Aparecida da Silva.
A pista está cheia de buracos, obrigando motoristas a passarem pelo local em zigue-zague, invadindo a contramão. “Eu espero que as autoridades melhorem [a pista], para não acontecer outros casos como esse, deixando as famílias desamparadas”, desabafou Tânia.
Em nota a Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop) informou que a recuperação da GO-206 está incluída dentro da segunda etapa do programa Rodovida Manutenção, previsto para começar em fevereiro.

PPS DE CODÓ EM TERESINA, PIAUI

NO DIA 29.01.2016, PPS  DE CODÓ ESTIVE  NO ENCONTRO REGIONAL DO PARTIDO POPULAR SOCIALISTA-PPS-23 EM TERESINA-PI, COM A PRESENÇA DO PRESIDENTE NACIONAL DO PPS DR. ROBERTO FREIRE (DEPUTADO FEDERAL-SP), DO PRESIDENTE DO PPS-PI EX-GOVERNADOR DO PIAUÍ JOSÉ FILHO, E DA PRESIDENTE DO PPS-CODÓ-MA PROF. IRACEMA BRANDÃO, NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PIAUI-ALEPI.
Fonte e Fotos: Dr° Mendes

sábado, 30 de janeiro de 2016

OS M DA CIDADE DE CALDAS NOVAS SÃO DENUNCIADOS PELO MPF

PREFEITO DE CALDAS NOVAS
Jornal Opção Online teve acesso exclusivo a um levantamento do Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO) que aponta ações propostas pela Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) contra 11 deputados eleitos em Goiás. As ações foram protocoladas entre dezembro de 2014 e janeiro deste ano, envolvendo problemas relativos à eleição passada.

São cinco deputados federais e seis estaduais, com denúncias diversas, entre captação de recursos ilícitos para campanha eleitoral e abuso de poder político e econômico. Embora os processos estejam apenas no começo, as punições podem chegar a cassação do mandato e tornar o julgado inelegível por oito anos.

De acordo com o advogado especialista em Direito Eleitoral Dalmy de Faria — que comentou cada caso ao Opção Online –, a maioria deles é relativamente simples, mas alguns, se comprovados os ilícitos alegados pelo MPF, podem complicar a vida dos parlamentares eleitos. No entanto, vale destacar que, como tudo está na fase inicial, uma suposta condenação pode demorar mais de um ano.

Confira quem são os processados pelo MPF:

Deputados Federais

Daniel VilelaDaniel Vilela (PMDB)
A alegação: “Representação eleitoral 301/2015 interposta pelo Ministério Público Eleitoral em desfavor de Daniel Elias Carvalho Vilela por captação de recursos financeiros para a campanha eleitoral de empresas concessionárias de serviço público.”

Dalmy explica que, durante a prestação de contas dos candidatos, duas questões podem ser questionadas: a arrecadação advinda de fonte ilícita ou proibida, ou aplicação de recursos de forma irregular. “A legislação eleitoral proíbe que concessionárias de serviço público sejam doadoras de campanhas eleitoras. Toda empresa que dependa de concessão do poder público, seja ela transporte coletivo ou uma emissora de rádio, por exemplo, está vedada de contribuir em campanhas”, justifica o advogado.

A consequência: Caso julgada procedente a alegação do MPF, há cassação do diploma e do mandato do deputado.
Marcos AbrãoMarcos Abrão (PPS)
A alegação: “Representação eleitoral 57.107/2014 interposta pelo Ministério Público Eleitoral em desfavor de Marcos Abrão, candidato a deputado federal pela conduta de espalhar, durante a madrugada do dia das eleições gerais 2014 santinhos e material de propaganda próximo aos locais de votação […] Ação esta conhecida como ‘chuva de santinhos’ ou ‘derramamento de santinhos’, com a intenção deliberada de angariar os votos dos eleitores indecisos ou que ainda não tenham candidato.”

É um caso típico de propaganda eleitoral. Não chega a ser boca de urna, confirma Dalmy, mas deve gerar multa e pode também culminar em um processo criminal eleitoral. “O Ministério Público está inaugurando esse tipo de processo até mesmo por questões ambientais”, complementa o advogado.

A consequência: multa.
Heuler CruvinelHeuler Cruvinel (PSD)
A alegação: “Representação eleitoral interposta pelo Ministério Público Eleitoral em desfavor de Antônio Paes Toledo, Heuler Abreu Cruvinel e de Maria José Guimarães Cabral por suposta prática de conduta vedada aos agentes públicos consubstanciado na utilização do aparato oficial da Câmara Municipal de Rio Verde (GO), onde supostamente utilizou veículo oficial para realizar propaganda eleitoral, pelo ora representado Antônio Paes Toledo, vereador do município de Rio Verde, no sentido de promover eleitoralmente os ora apresentados, Heuler Abreu Cruvinel e Maria José Guimarães Cabral, respectivamente candidatos aos cargos de deputado federal e deputado estadual. Requer aplicação de multa.”

É terminantemente proibido ao agente público, seja ele o candidato ou não, a utilizar recursos públicos, como material de repartição, veículos e até mesmo funcionários. Dependendo da extensão dessa utilização pode chegar a configurar abuso de poder político. “Se o MP entende que a repercussão do abuso não foi, digamos, ‘grande’, requer apenas multa, como no caso de Heuler”, justifica Dalmy.
magdinhaMagda Mofatto (PR) 
A alegação: “Representação eleitoral interposta pelo Ministério Público Eleitoral em desfavor de Evandro Magal Abadia Correia e Silva [prefeito Magal (PP), de Caldas Novas], Marco Aurélio de Sene Palmerston Xavier (Marquinho do Privê) e Magda Mofatto Hon (PR), por suposta utilização de cadastro disponível na Prefeitura e de força de trabalho de servidores municipais, convocou e realizou reunião, com pretensos beneficiários do programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV) para divulgar e enaltecer a candidatura dos candidatos Magda Mofatto Hon e Marco Aurélio de Sene Palmerston Xavier. Requer aplicação de penas pecuniárias.”

Um processo complexo que pode culminar na cassação do mandato do deputado e na inelegibilidade para o prefeito de Caldas Novas, Evandro Magal (PP). Não se pode utilizar programa ou bem público em favor de candidatos. “Provavelmente ocorreram reuniões com os tais beneficiários do programa e/ou utilizaram o cadastro da prefeitura para mandar correspondência a eles”, aposta o advogado.

A consequência: Caso julgada procedente a alegação do MPF, há cassação do diploma e do mandato da deputada; e/ou aplicação de multa. Além disso, o prefeito pode ficar inelegível por oito anos.

A consequência: multa.
Roberto BalestraRoberto Balestra (PP)
A alegação: “Representação eleitoral interposta pelo Ministério Público Eleitoral em desfavor de Roberto Egídio Balestra por captação de recursos financeiros para campanha eleitoral em desacordo com os ditames da Lei.”

Nas últimas eleições, muitos candidatos tiveram problemas com a prestação de contas porque não conseguiram provar a origem dos recursos utilizados. A maioria porque recebeu dinheiro dos fundos partidários e essas doações não vieram nominadas. “Não é muito grave, mas, caso o deputado não consiga provar a origem, pode acarretar em cassação do mandato”, alerta o advogado.

Sobre a prestação de contas dos candidatos, Dalmy esclarece que esta não impede a diplomação dos eleitos. São três tipos de resultado: aprovação sem ressalvas, aprovação com ressalvas (quando há pequena irregularidade) e contas rejeitadas. “Nenhuma delas impede que o eleito tome posse. O que impede é só a não apresentação de contas”, complementa.

A consequência: Caso julgada procedente a alegação do MPF, há cassação do diploma e do mandato do deputado; e/ou aplicação de multa.

Deputados Estaduais

Henrique ArantesHenrique Arantes (PTB)
A alegação: “Representação eleitoral 77.119/2014 interposta pelo Ministério Público Eleitoral em desfavor de Henrique Paulista Arantes por captação de recursos financeiros para campanha eleitoral em desacordo com os ditames da Lei.”

O mesmo caso do deputado Roberto Balestra (PP)
A consequência: Caso julgada procedente a alegação do MPF, há cassação do diploma e do mandato do deputado; e/ou aplicação de multa.
Marquinho do PrivêMarquinho do Privê (PSDB) 
A alegação: “Representação eleitoral interposta pelo Ministério Público Eleitoral em desfavor de Evandro Magal Abadia Correia e Silva [prefeito Magal (PP), de Caldas Novas], Marco Aurélio de Sene Palmerston Xavier (Marquinho do Privê) e Magda Mofatto Hon (PR), por suposta utilização de cadastro disponível na Prefeitura e de força de trabalho de servidores municipais, convocou e realizou reunião, com pretensos beneficiários do programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV) para divulgar e enaltecer a candidatura dos candidatos Magda Mofatto Hon e Marco Aurélio de Sene Palmerston Xavier. Requer aplicação de penas pecuniárias.”

Mesma representação da deputada Magda Mofatto (PR).

A consequência: Caso julgada procedente a alegação do MPF, há cassação do diploma e do mandato do deputado; e/ou aplicação de multa. Além disso, o prefeito pode ficar inelegível por oito anos.
Zé AntônioZé Antônio (PTB) – dois processos
As alegações: “Ação de ivestigação judicial 68.507/2014 proposta pelo Ministério Público Eleitoral em desfavor de José Antônio da Silva Netto e Marcio Barbosa Vasconcelos [prefeito Dr. Marcio (PMDB), de São Simão], visando apurar a prática de abuso de poder econômico e de autoridade, consistente no poder exercido pelo prefeito do município de São Simão para os servidores públicos manifestarem apoio ao candidato a deputado estadual José Antônio, sob pena de serem exonerados dos cargos ocupados.”

“Representação eleitoral 71.546/2014 proposta pelo Ministério Público Eleitoral em desfavor de José Antônio da Silva Netto e Marcio Barbosa Vasconcelos, visando apurar suposta captação ilícita de sufrágio (artigo 41-A) consistente no poder exercido pelo prefeito do município de São Simão para ‘coagir’ os servidores públicos municipais a manifestarem apoio ao candidato a deputado estadual José Antônio, sob pena de serem exonerados dos cargos ocupados.”

É o caso mais grave de todos. De acordo com o advogado, pelo teor da representação, ao que tudo indica, o prefeito teria pressionado funcionários da prefeitura a votarem no candidato a deputado. Além do abuso do poder político e econômico, entra também na compra de votos, que seria a captação ilícita. Pode ter havido, também, a promessa de que o servidor que conseguisse votos seria beneficiado de alguma forma, como com gratificações.

A consequência: Caso julgadas procedentes as alegações do MPF, há cassação do diploma e do mandato do deputado e aplicação de multa. Além disso, o prefeito pode ficar inelegível por oito anos.
Talles BarretoTalles Barreto (PTB)
A alegação: “Representação eleitoral 77.602/2014 interposta pelo Ministério Público Eleitoral em desfavor de Talles Alves Barreto por captação de recursos financeiros para campanha eleitoral em desacordo com os ditames da Lei.”

O mesmo caso dos deputados Roberto Balestra (PP) e Henrique Arantes (PTB)
A consequência: Caso julgada procedente a alegação do MPF, há cassação do diploma e do mandato do deputado; e/ou aplicação de multa.
Claudio MeirellesClaudio Meirelles (PR)
A alegação: “Representação eleitoral interposta pelo Ministério Público Eleitoral em desfavor de Cláudio Olinto Meirelles por suposta prática de crime eleitoral consubstanciado na utilização pelo representado do aparato oficial da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás, onde supostamente utilizou veículos oficiais e o motorista do Poder Legislativo em sua campanha.”

É também um caso grave. Não se pode utilizar bem público em campanha eleitoral, mas é preciso analisar a extensão da acusação, por exemplo. “Se o deputado fez esse uso durante toda campanha e o MPF conseguir provar, haverá maiores imputações. Se foi uma situação eventual é apenas uma multa”, sustenta Dalmy.

A consequência: Caso julgada procedente a alegação do MPF, há cassação do diploma e do mandato do deputado; e/ou aplicação de multa
Álvaro GuimarãesÁlvaro Guimarães (PR)
A alegação: “Representação eleitoral interposta pelo Ministério Público Eleitoral em desfavor de Álvaro Soares Guimarães por captação de recursos financeiros para campanha eleitoral em desacordo com os ditames da Lei.”

O mesmo caso dos deputados Roberto Balestra (PP), Henrique Arantes (PTB) e Talles Barreto (PTB)

A consequência: Caso julgada procedente a alegação do MPF, há cassação do diploma e do mandato do deputado; e/ou aplicação de multa.
Fonte: vallenoticias.com

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Soldados europeus abusaram sexualmente de crianças na República Centro-Africana, diz ONU

A ONU acusou tropas da Georgia, França e outro país europeu não identificado de terem violentado sexualmente crianças durante missão de paz na República Centro-Africana, como informou o porta-voz do Escritório das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Rupert Colville, nesta sexta-feira (29/01).

Uma das meninas, de sete anos, disse que teve relações sexuais com soldados franceses “em troca de uma garrafa de água e um pacote de biscoitos”. Ao todo, cinco meninas e um menino foram entrevistados por pesquisadores das Nações Unidas. Eles disseram que foram vítimas de estupro ou que receberam dinheiro, ou algum tipo de recompensa, para ter relações sexuais com soldados que faziam parte da operação da União Europeia ou das forças francesas, que operam à parte. 
Membros das tropas francesas Sangaris já estavam envolvidos em outros seis casos revelados no ano passado.
Segundo Colville, embora ainda não tenha sido verificado, três das meninas indicaram que os responsáveis pelas ações eram soldados georgianos que atuavam na força europeia. Elas tinham entre 14 e 16 anos quando os abusos ocorreram, em 2014.

MOTORISTA DE DEPUTADO ESTADUAL DE GOIÁS É MORTO A TIROS


O motorista do deputado estadual Nédio Leite (PSDB), vice-presidente da Assembleia Legislativa de Goiás, foi morto a tiros, na manhã desta sexta-feira (29), em um assalto a uma padaria de Jaraguá.
O crime de latrocínio –– roubo seguido de morte –– ocorreu a menos de 200 metros da Delegacia da Polícia Civil e de 400 metros da Companhia Independente da Polícia Militar.
Segundo a Polícia Civil, Juarez Gonçalves da Cruz, que tinha 51 anos, chegava à Panificadora Nossa Senhora Aparecida, na Avenida JK, Jardim Ana Edith, por volta das 7h30, quando o criminoso saía, levando certa quantidade de dinheiro roubado do caixa do estabelecimento. O criminoso queria mais dinheiro, e a vítima teria se agarrado ao bandido, que disparou dois tiros, na cabeça de Juarez.
Testemunhas disseram que, primeiro, o criminoso tentou tomar a chave de um Toyota/Corolla de um taxista que estava no local, e acabou agredindo-o com uma coronhada de revólver.
Era começo da manhã, e clientes compravam pães quando foram surpreendidos pelo assaltante, que entrou com arma em punho e anunciou o roubo. Rendida, uma funcionária da panificadora, que estava no caixa, entregou-lhe várias notas. O assaltante ainda teria levado clientes para o banheiro.
Depois disso, na saída, encontrou Juarez, instante em que lhe teria apontado a arma e pedido dinheiro. Ainda de acordo com testemunhas, Juarez reagiu, entrou em luta corporal com o bandido e foi alvejado na cabeça.
Foram efetuados três disparos, dois deles na cabeça de Juarez Gonçalves, que morreu no local. Ninguém havia sido preso até o começo da tarde. A Polícia Técnico-Científica de Ceres fez a perícia e o corpo foi recolhido no meio da manhã.

Preso homem que teria estuprado e engravidado a própria irmã, em Corumbaíba


A Polícia Civil de Corumbaíba prendeu na noite desta quarta-feira (27/1) um homem acusado de violentar a própria irmã. Adão Ouzivam Pereira dos Santos tinha um mandado de prisão expedido pelo crime de estupro de vulnerável, quando a vítima não possui condições de oferecer resistência ao ato.

Segundo as investigações, Adão teria cometido os abusos enquanto a irmã se encontrava inconsciente após a ingestão de bebida alcoólica. A vítima atualmente se encontra grávida e há fortes indícios de que essa gravidez seja resultante dessa violência sexual.

A polícia trata o suspeito como um indivíduo de extrema periculosidade e relata que ele possui extensa ficha criminal. Desde a sua adolescência até o presente momento, Adão já respondeu pelos crimes de homicídio, tentativa de homicídio, estupro, lesão corporal, tráfico de drogas, porte de arma de fogo, entre outros.

Se condenado pelo delito de estupro de vulnerável, o criminoso poderá pegar até 15 anos de de prisão.

Fonte: www.emaisgoias

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Milhares de animais são esfolados vivos para roupas da moda


Desde focas e chinchilas até raposas e linces, milhões de animais são mortos todos os anos para a confecção de casacos de pele no mundo. Só na França são abatidos 70 milhões de coelhos por ano para esse fim. Mas a indústria dos casacos de luxo é alvo de críticas. Para as organizações de defesa dos animais, mais do que injustificada - há tecidos sintéticos e naturais que cumprem a função -, a atividade é extremamente cruel. O sofrimento já começaria na captura do bicho, que pena nas mãos dos caçadores - as focas, por exemplo, são mortas a pauladas na cabeça, para não danificar a pele. Mesmo quando criados em cativeiro, os animais viveriam em condições degradantes e padeceriam horrores na hora de extrair a pele. Os produtores, por sua vez, contestam o que chamam de sensacionalismo das entidades. "No caso da chinchila, a morte ocorre pelo destroncamento de uma das vértebras cervicais. É um processo indolor, sem sangue ou sofrimento", diz Carlos Perez, presidente da Associação dos Criadores de Chinchila Lanífera (Achila). Para os defensores dos bichos, porém, a crueldade fica óbvia quando se leva em conta que, ao contrário do que rola com vacas e frangos - mortos para alimentar pessoas -, no caso da indústria da moda os animais são sacrificados apenas para alimentar a vaidade alheia.

MATADO PARA VESTIR

Confira o polêmico passo-a-passo da confecção de um casacão de madame

1. Os animais usados para fazer casacos de pele podem ser criados em cativeiro (como chinchilas, coelhos e martas) ou ser caçados em seu habitat (como focas, ursos e lontras). O abate rola quando o bicho atinge a maturidade e ocorre sempre no inverno, quando o pelo é mais longo, brilhante e abundante

2. Há vários modos de abater o bicho. Eles podem ser mortos a pauladas, ser estrangulados - método indolor, segundo os produtores - ou, entre outras técnicas para resguardar a pele, ser eletrocutados com a introdução no ânus de ferramentas que fritam os órgãos internos

3. Depois que o animal é morto, é hora de extrair sua pele. Há várias formas de escalpelá-lo, algumas mais profissionais e outras rudimentares e violentas

Profissional

a. Nas fazendas de criação de chinchilas, faz-se um pequeno corte no lábio inferior do animal e outro próximo ao órgão genital

b. Em seguida, é introduzida uma vareta de ferro de um ponto a outro. Ela funciona como um suporte-guia para o corte

c. Com um bisturi, se desprega a pele do animal, evitando danificá-la. Quanto mais intacto o couro, maior o seu valor de mercado

Amador

a. Nos modos mais cruéis, como rola em alguns locais da China, o animal é morto a pauladas e suas patas são decepadas

b. O bicho então é dependurado pelo coto da pata, e seu couro é extraído a partir desse ponto com a ajuda de uma faca

c. A pele é puxada com força, como se fosse tirada ao avesso. Em muitos casos, o animal ainda está vivo durante esse processo

4. Uma vez retirada, a pele é presa com alfinetes ou pregos numa tábua, onde ficará por alguns dias no processo de secagem. Nessa etapa, ela ganha forma definitiva e não vai mais encolher nem sofrer deformações

5. O passo seguinte é o curtimento da pele. Num curtume, ela passa por banhos químicos para retirada de sujeiras, cheiro e gordura, evitando que apodreça mais tarde. Ela também pode ser tingida

6. Após o curtimento, as peles vão para as confecções, onde são costuradas umas nas outras até tomarem a forma de um casaco. No acabamento, é aplicado um forro, em geral de cetim, na parte interna:


ROUPA TAMANHO MORTE

Veja quantos animais precisam ser mortos para fazer um casaco de pele de comprimento médio

. 125 arminhos

. 100 chinchilas

. 70 martas-zibelinas

. 50 martas-canadianas

. 30 ratos-almiscarados

. 30 coelhos

. 27 guaxinins

. 17 texugos

. 16 coiotes

. 14 lontras

. 11 linces

. 9 castores

BRASIL NÃO PAROU NEM VAI PARAR

"O Brasil está passando por um momento de transição econômica. Estamos fazendo um grande esforço para nos adaptarmos à nova realidade global, que está tomando forma com o fim do super ciclo das commodities", disse Dilma, ao jornal.

Segundo a presidenta, garantir a estabilidade e o crescimento económico é essencial para o Brasil. "Para isso, estamos a fazer um ajuste fiscal severo. (...) Essa recuperação do equilíbrio fiscal permitirá a retomada da atividade econômica em bases mais sólidas e sustentável. Simultaneamente a esse esforço fiscal, lançamos programas para fazer avançar o investimento, particularmente em conjunto com o setor privado", afirmou.

De acordo com Dilma, isso tudo tem sido feito sem descuidar dos direitos trabalhistas e sociais e tendo em vista a preservação dos ganhos dos últimos 13 anos. "Confio em que a economia brasileira vai superar esses desafios e emergir ainda mais forte e mais competitiva", declarou.

"Não vamos retroceder em políticas exitosas de inclusão social e não vamos nos descuidar daqueles que mais necessitam. Mesmo em um contexto de ajuste, mantivemos os programas sociais e os principais investimentos", defendeu.

A presdienta destacou que , nos últimos anos, enquanto o mundo enfrentou graves problemas económicos e sociais, o Brasil foi capaz de "sustentar o crescimento com baixa inflação e com os mais baixos níveis de desemprego de sua história". 

"Em que pesem as dificuldades temporárias, o Brasil não parou nem vai parar. Não retrocederemos na inclusão social ou nos investimentos sociais", garantiu.

Sem base jurídica

Na entrevista, Dilma voltou a dizer que não há respaldo jurídico para o pedido de abertura de processo de impeachment contra ela, e que a melhor saída quando há "divergência de ideias" é o debate. "Não é aceitável, em uma sociedade democrática e participativa, tirar um presidente apenas por divergência política, sem nenhum respaldo jurídico."

A presidenta também destacou que "implacável contra a corrupção" desde seu primeiro mandato, e garantiu que em seu governo a Polícia Federal e o Ministério Público têm total autonomia de investigação.

"Não transigirei no combate a qualquer tipo de ação criminosa cometida por qualquer pessoa. O povo brasileiro é honesto e trabalhador e jamais aceitarei que pequenos grupos tentem se beneficiar do dinheiro público em proveito próprio", afirmou.

Relações internacionais

Segundo a presidenta, é em momento de maiores dificuldades que os blocos como a Celac se tornam mais importantes. Ela defendeu a relevância de ter posições comuns e de buscar em conjunto soluções para ps problemas.

Indagada sobre mudanças no rumo político em países região, a presidente afirmou ver com "naturalidade a alternância de poder". Ela também minimizou eventuais impactos nas relações do Brasil com países como a Argentina e Venezuela, diante da eleição de Maurício Macri e da vitória da oposição nas eleições legislativas, respectivamente.. 

"As relações do Brasil com seus vizinhos sul-americanos são, antes de tudo, relações entre Estados, fundamentadas em interesses compartilhados e projetos muito concretos de integração."

Dilma foi incisiva ao responder a pergunta sobre a postura brasileira diante da crise política e econômica na Venezuela. "Tivemos de tudo, menos silêncio por parte do Brasil em relação à Venezuela. Acompanhamos com muita atenção os acontecimentos no nosso vizinho do norte, país irmão com o qual mantemos excelentes e sólidas relações. E estamos muito presentes e atuantes, de forma individual ou em conjunto com os demais membros da Unasul (União das Nações Sul-Americanas)", argumentou a presidente, citando os "princípios básicos de não ingerência e autodeterminação dos povos".

Na entrevista, Dilma reconheceu que a Venezuela passa por momentos difíceis.. "Com a instalação da nova Assembleia Nacional venezuelana temos a expectativa de que todos os atores políticos mantenham e aperfeiçoem o diálogo e a boa convivência, que devem ser a marca por excelência das sociedades democráticas", afirmou.

"Não há lugar na América do Sul do século 21 para soluções políticas a margem da institucionalidade e do mais absoluto respeito à democracia e ao Estado de Direito", disse. 

No Paraná atentados contra policiais disparam


A insegurança paira sobre policiais militares que se tornaram alvo nos últimos dias não apenas em Curitiba, mas em todo Paraná.
O números são assustadores e nunca antes atingidos. São 4 policiais mortos, pelo menos dois baleados e outras 4 ações em que os policiais saíram ilesos por muita sorte, tudo isso em sete dias.
O Comando da Polícia Militar do Paraná nega a todo custo que há uma ação organizada contra os agentes de segurança pública, e que são apenas coincidências.
Durante esta semana conversamos com vários policiais de todo o estado para entender melhor o que pode estar acontecendo.
Um policial de Londrina que não quis se identificar, relatou que não há interesse de facções criminosas em divulgar que as ações que estão acontecendo são praticadas por ela, já que caso isso fosse escrachado, haveria uma retaliação direcionada, para dentro dos presídios com o corte de regalias e bate grades. O policial ainda relatou que muitas vezes eles sabem que são os bandidos de facção, porém como não há o flagrante do crime, eles nada podem fazer, e são obrigados a apenas fazer vista grossa. Assustado, o policial disse que muitos desses marginais sabem detalhes da vida desses policiais, onde moram, qual a sua rotina, e que não fazem nada pelo motivo de não querer uma guerra.
Mas aí fica a pergunta, como realizar atentados sem provocar uma guerra direta contra uma facção criminosa? Simples, realizando ações dissimuladas, fazendo com que as ações pareçam fatos isolados, situações que nada pareceriam uma ação de ataque direto ao agente de segurança, como presenciamos nas ações acontecidas na semana passada em Curitiba. As ações parecem mais como situações corriqueiras do dia a dia, como tentativas de assalto, acerto com o tráfico de drogas, assalto a um motel, porém com o passar dos dias fica mais difícil esconder que a realidade não é essa.
Na noite desta segunda-feira (25), mais um policial militar de folga foi atacado, e as imagens de câmera não negam, não dá para mencionar em assalto, ou qualquer outra coisa, e sim apenas um ataque direto ao policial, que acabou sendo atingindo por dois disparos nas costas e um no braço. Ele segue internado em um hospital de Londrina estável.


Na semana passada ainda noticiamos um cerco a um policial militar do BOPE que saía de um motel com a esposa. O comando novamente diz que seria uma ação contra o motel e não contra o policial, porém novamente as imagens não mostram isso.
E o que já está ruim pode piorar. Recebemos informações de ações ocorridas em Colombo envolvendo uma facção criminosa, o qual os mesmos, tentaram se passar por policiais para forjar uma situação em que policiais estariam retaliando as mortes ocorridas. Sendo assim, a polícia militar fica de “mãos amarradas”, pois estão sendo acusados de algo que não cometeram, apenas para não ter chances de pensar em uma possível retaliação contra a facção. Uma testemunha que não quis se identificar relatou que durante um triplo homicídio acontecido em Colombo no último fim de semana, disse que ficou claro que ação foi totalmente desproporcional com intuito de incriminar os policiais daquela ação bárbara.
Neste caso, acaba colocando a polícia em dúvida, para que a opinião pública fique contra os mesmos.
O que não se sabe ainda é o que desencadeou essas ações. Alguns dizem que são traficantes pequenos que devem para traficantes grandes, e para quitar a dívida realizam essas ações. E para não haver a caça as bruxas, estão atacando os policiais simulando assaltos ou outras ações corriqueiras.
Um preso do Complexo Penal de Piraquara entrou em contato para relatar que a ordem veio de dentro de Piraquara e que a ação irá durar 30 dias, porém não há nada que comprove essas informações oficialmente.
Como já foi frisado, não há interesse algum de qualquer facção criminosa em divulgar que a responsabilidade das ações vem deles, já que sabem que a retaliação será grande e direcionada. Se não há um alvo específico fica difícil contra atacar e encontrar os responsáveis.
E o que mais preocupa é que os ataques continuam acontecendo e qualquer agente pode ser o próximo alvo.
O mais importante é manter a atenção redobrada principalmente aos policiais de folga, que tem sido os alvos dos marginais.